domingo, fevereiro 01, 2009

Noites de Vivienne

Certas noites não são azuis
São vermelhas e pretas
como a estampa do vestido desenhado por Vivienne Westwood
ou os carros das duas filhas.
Uma raiva incontrola-se no âmago. Raiva de palavras mal escritas, ciúmes. Muito ciúme. Afogante ciúme.
Não recebi uma resposta para a mensagem que mandei.
Quantas alucinações ainda terei, meu Deus.
Que outra luz brilhará na minha escuridão antes que eu me perca nela.
Norah Jones me diz que vale a pena atravessar a estrada mais longa,
contanto que alguém esteja esperando do outro lado.
Os passos perecem. São lentos, morrem de velhice.
As noites não são azuis.
Tão errado, ações tão erradas, quase crimes contra si mesma.
Ou realmente a estrada é muito longa.






Ou realmente não tem ninguém do outro lado.

Marcadores: ,

2 Comentários:

Blogger la texana disse...

incontrola-se, tipo, não se controla? babe, eu acho que vc acabou de criar um neologismo. congrats!
esses textos, todos stream of conscience costumam ser meus favoritos.

10:41 PM, fevereiro 06, 2009  
Blogger O Autor Do Submundo disse...

Aqui está um lado negativo seu que eu ainda não tinha visto - quando me refiro a "negativo", me refiro à negatividade de suas palavras.

Embora a caminhada às vezes seja longa e cansativa, o que se esconde em seu destino é algo tão infeliz, que não lhe resta forças para continuar. Eis a vida e suas benditas peripécias...

7:32 PM, agosto 28, 2009  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial